MPE não terão saudades de 2014

 

Ao analisarmos a situação das micro e pequenas empresas vemos que o faturamento delas caiu em 2014

 

A Economia Brasileira tem produzido mais preocupações do que boas notícias em 2014.

Desaceleração do ritmo de atividade, inflação elevada, piora na confiança de empresários e consumidores e dúvidas sobre o direcionamento das finanças do país formam um quadro pouco animador. 

 

Ao analisarmos a situação das micro e pequenas empresas (MPEs) de São Paulo vemos que o faturamento delas caiu 0,3% no acumulado de janeiro a setembro na comparação com o mesmo período de 2013. Com o recuo, 2014 tem tudo para não deixar saudades. Para 2015, a expectativa é de melhora, mas nada que entusiasme muito.

 

Tempos difíceis para as 9 milhões de MPEs brasileiras, que representam 99% das empresas existentes no país e respondem por 27% do PIB (Produto Interno Bruto), 52% dos empregos com carteira assinada e 40% dos salários pagos. Como ninguém está imune a turbulências, a resistência das MPEs é minada dia após dia.

 

O problema é que os pequenos negócios têm forte dependência do mercado interno e indicadores ruins abrem caminho para o surgimento de um círculo vicioso que corrói a economia como um todo. Nessas condições, as MPEs veem o consumo de seus produtos e serviços diminuir.

 

Menos vendas levam à redução de receita, de empregos, da renda do trabalhador, da arrecadação e do dinheiro disponível para o governo investir em benefícios para a população, prejudicando o desenvolvimento local, aumentando a morte de empreendimentos e causando o aborto de projetos. Ou seja, quando as MPEs enfrentam dificuldades, toda a economia é afetada.

 

Segundo o relatório Doing Business, do Banco Mundial, estamos em 116º, entre 189 países, no que se refere ao ambiente para empreender e realizar de negócios. A burocracia e carga tributária são os maiores entraves na vida do empresário brasileiro.

 

Por outro lado, o dono ou futuro dono de um pequeno negócio tem de fazer a sua parte também. Ele precisa se preparar, qualificar a si e seu negócio, planejar e inovar, requisitos básicos para o bom desempenho. Além disso, tem de manter vivo o espírito empreendedor, aquela força motriz que faz com que não desista e enxergue oportunidades onde os outros veem dificuldades. As crises servem para tirar o indivíduo de sua zona de conforto e forçá-lo a buscar soluções.

 

O primeiro passo é tornar-se um gestor melhor. Em tempos turbulentos, o empresário deve manter um controle rigoroso das contas, cortar excessos e ficar atento às possibilidades ao redor. Tem de saber se comunicar com sua equipe (ou poderá sucumbir a ruídos e ao chamado fogo amigo) e estar disposto a colocar a mão na massa, trabalhar duro. Ou seja, ser o primeiro a chegar e o último a sair.

 

Fonte: Notícias Uol

  • facebook
PALUS

UA-74415265-1

Google Analytics

Google AdSense

Bing Ads

Palus Consultoria de Empresas