Rotatividade do trabalhador brasileiro é muito alta

 

Mais de 40% dos trabalhadores brasileiros não chegam a completar um ano na mesma empresa. Estudo do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro indica que uma das razões para a alta rotatividade está na legislação.

A maior probabilidade de um empregado ser dispensado ocorre aos três meses de trabalho, quando termina o contrato de experiência. Os outros dois momentos em que mais ocorrem demissões, quando o funcionário ganha direito ao seguro-desemprego, e antes de um ano, pois após esse prazo, o desligamento passa a ser homologado pelos sindicatos. O indício é que nesses dois casos , os funcionários peçam para ser demitidos para ter acesso aos benefícios - além do seguro-desemprego, a dispensa sem justa causa permite o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

 

1 – Os três (3) momentos que ocorrem mais demissões são:

  • 3 meses

       Fim do contrato de experiência

  • 6 meses

       Prazo mínimo de trabalho para que o funcionário tenha direito ao seguro-desemprego em caso de

       demissão sem justa causa

  • 11,5 meses

       Prazo limite para dispensa sem homologação nos sindicatos, procedimento que eleva a chance de a 

       empresa ser fiscalizada

 

2 – Aumento de empregos formais foi acompanhado por crescimento da rotatividade
Nos últimos dez (10) anos o aumento no número de empregos formais foi acompanhado pelo crescimento da rotatitividade de mão de obra.

 

3 – Consequente aumento dos gastos públicos

Uma das consequências é o aumento dos gastos públicos com o pagamento de seguro-desemprego, que cresceram cinco vezes desde 2013.

 

Conclusão: As regras trabalhistas supostamente deveriam proteger os empregos. Na prática, elas estimulam a rotatividade, especialmente quando o mercado de trabalho está aquecido.

 

 

Fonte: Exame - Flávia Furlan

  • facebook
PALUS

UA-74415265-1

Google Analytics

Google AdSense

Bing Ads

Palus Consultoria de Empresas